Mais brasileiros na internet

via Link Estadão - Cultura Digital de Carla Peralva em 19/06/10
A internet brasileira não para de crescer e se mostra, cada vez mais, um mercado promissor. O número de usuários ativos no País chegou a 37,3 milhões em maio, um crescimento de 1,8% em relação a abril. Os dados são de uma pesquisa feita pela Ibope Nielsen Online, empresa especializada em medir o comportamento de usuários da internet, que considerou o uso da rede nas residências e no trabalho.
Levando em conta também o acesso feito a partir de escolas, lan-houses e bibliotecas por maiores de 16 anos, a quantidade de usuários únicos chegou a um total de aproximadamente 67,5 milhões no último trimestre do ano passado. O tempo que os brasileiros passam em frente à tela do computador, no entanto, diminui em 4,2% de abril para maio.
O estudo ainda analisa o tipo de conteúdo mais buscado na rede. José Calazans, analista de mídia do IBOPE Nielsen, diz que, nos últimos três meses, "o fluxo de audiência de microblogs para serviços de mapas e localização cresceu no Brasil". Os sites que contam com geolocalização e consultas a mapas alcançaram os 17,3 milhões de usuários únicos em maio – no mesmo período do ano passado foram registrados apenas 6  milhões.
Leia também:
Banda larga móvel supera fixa no Brasil
Brasil é lider em uso de redes sociais


Xerox, 50 anos, redefiniu a era da informação

via Link Estadão - Cultura Digital de Tatiana de Mello Dias em 20/06/10
Existe coisa mais analógica do que uma máquina de Xerox? À primeira vista, você pode pensar que cópias em papel não têm a ver com a era digital. Mas têm.
Na semana passada, completaram-se 50 anos que a Xerox 914, a primeira máquina comercial, começou a ser vendida. E, com ela, pela primeira vez as pessoas tiveram a oportunidade de duplicar, copiar e desagregar conteúdo de forma barata e simples. A revista Atlantic diz que o modelo "foi um dos catalisadores da era da informação". Um livro poderia ser reproduzido inteiro ou em partes, quantas vezes fosse preciso, do jeito que o leitor quisesse.
A reprodutibilidade pode ser banal hoje, mas há 50 anos foi revolucionária – tanto que trouxe algumas questões que ainda não foram resolvidas. Direitos autorais, por exemplo.
A marca completou 45 anos de Brasil na mesma semana. E, mais do que facilitar o cotidiano em escritórios (seu propósito inicial), a Xerox é capital para a educação. O Grupo de Pesquisa em Políticas Públicas para o Acesso à Informação da USP constatou que a compra da bibliografia pedida nos cursos comprometeria quase toda a renda familiar. A questão foi uma das catalisadoras da reforma da Lei de Direitos Autorais. O MinC deve mexer na lei atual e permitir cópias para fins educacionais. A questão partiu do papel – se estendeu também para o meio virtual.

PDF no Navegador Chrome

Nos últimos tempos, pudemos acompanhar um crescimento significativo na utilização de arquivos PDF. Afinal, nada mais prático para distribuir conteúdo online, sobretudo textos, sem que os mesmos percam suas formatações. Além disso, é possível impedir a edição e, inclusive, a impressão de arquivos em PDF. Para que usuários possam acessar arquivos PDF, há a necessidade de se ter instalado no computador um leitor do formato. O mais famoso é o Adobe Reader, cuja empresa criadora é a mesma que, em 1993, desenvolveu o PDF: a Adobe Systems.
No caso dos usuários de internet, a situação não é diferente. Os navegadores possuem plug-ins que permitem a visualização deste tipo de arquivo diretamente no browser, sem que o usuário tenha que salvá-lo para, somente depois, poder visualizá-lo. Mas os tais plug-ins representam um desafio no que se refere a segurança, desempenho e compatibilidade. Pensando nisso, o Google acaba de incorporar, ao Google Chrome, o plug-in Chrome PDF Viewer. Fruto da parceria entre Google e Adobe, o Chrome PDF Viewer funciona da mesma maneira que o Flash Player, também incorporado ao Chrome recentemente. Com ele, o usuário pode ler todos os arquivos PDF que quiser, sem a necessidade de instalar qualquer tipo de complemento em seu computador ou navegador. Por padrão, o plug-in vem desativado no navegador. Para ativá-lo, digite about:plugins na omnibox e aperte enter. Depois, basta localizar o Chrome PDF Viewer e clicar em Ativar.
Pronto. A partir de agora, todo e qualquer link que te leve à um arquivos PDF, passará a ser exibido pela recém-ativada funcionalidade. O plug-in transforma o arquivo em uma página HTML, permitindo que os usuários façam uso do recurso de zoom do navegador, além, é claro, de permitir ao usuário pesquisar no conteúdo do arquivo.
Atualmente, o plug-in não suporta todos os recursos avançados encontrados no Adobe Reader, como alguns tipos de mídias incorporadas, por exemplo. Para os usuários que necessitam de ter acesso a tais recursos, em breve o plug-in deve passar a dar, ao usuário, a possibilidade de abrir o arquivo no Adobe Reader. Da mesma forma que ocorre com o plug-in para visualização de vídeos em Flash, não há a necessidade de o usuário se preocupar em atualizá-lo. Sempre que uma versão mais recente do mesmo for disponibilizada, ela será baixada juntamente com a atualização do Google Chrome. O Chrome PDF Viewer está disponível na versão dev 6.0.437.1 ou superior e, inicialmente, somente para Windows e Mac. O Google está trabalhando para, o mais brevemente possível, disponibilizá-lo para usuários Linux. Agradecimentosao amigo Newton Mota pela dica!